Sem dúvida que o Convento de Mafra é um dos melhores exemplos da ostentação do reinado mais rico da
história de Portugal
.

O Rei D. João V, mandou construir este luxuoso lugar em 1717, segundo José Saramago no seu livro
“Memorial do convento”, diz que o Joãozinho fez um voto à
Nossa Senhora e St. António.

«Prometo, pela minha palavra real, que farei construir um convento de franciscanos na vila de Mafra se a rainha me der um filho no prazo de um ano a contar deste dia em que estamos…»

Então não é, que o Joãozinho cumpriu com a sua palavra!
Nasceu a infanta D.Maria Bárbara, e a construção desta obra começou.
Durou 13 anos até ficar concluida, apesar de trabalharem diariamente 20mil operários.
O convento tem 45 mil portas e janelas, 880 salas, duas torres de 68 metros de altura e 114 sinos.
Os carrilhões pesam cerca de 217 toneladas e foram construídos na Antuérpia e Liège.
Em 1730 empregava tanta gente que se tornava difícil em qualquer outro lugar do Reino, encontrar um operário ou mesmo materiais de construção. Tudo isto à conta do ouro do Brasil.Se o exterior impressiona, o interior ainda nos espanta mais!
É forrado a mármore, tem seis órgãos do inicio do século XIX, que só voltaram a tocar em 2010 após
11 anos em recuperação.
Existe também,
11 capelas com 450 esculturas em mármore e 45 tribunas.

Os aposentos do rei foram construídos numa extremidade e os da rainha na outra ponta oposta,
ficando nada mais, nada menos que uns belos
232m de distância, um do outro.
Sim! Eles na altura sabiam o que faziam.
Basicamente para chegar aos aposentos da Rainha podes comer um cozido,
ver uma temporada completa da guerra dos tronos e ainda tens tempo para beber café.

Resumindo e concluído quando se chega aos aposentos da senhora, já
ela  esta no seu terceiro sono.
E devido a esse aconteciemento o Rei tinha que ir caçar outras presas.
Se é que me faço entender…
A caça era uma das actividades eleitas pela família real, de tal modo que tinham uma sala do Palácio
decorada só com elementos relacionados com caça.
Os terrenos que circundavam o Convento permitiam estas grandes caçadas por serem ricos em fauna e flora.
A tapada de Mafra foi construida precisamente para esta actividade.

Este convento tem de tudo!
Desde uma cozinha gigante que parece que alimenta um quartel, sala de jogos, enfermaria,
sala para estar, sala para comer, sala para arrotar.
Tem de tudo, mas… nem tudo era um mar de rosas.
Contudo, também nos mostra a  pobreza e humildade em que viviam os monges franciscanos.
O contraste entre o calor da riqueza monárquica e o frio das paredes e do chão.
Na época e no mesmo espaço (con)viviam realidades bem diferentes.
A biblioteca é grandiosa!
Tem o chão em mármore, estantes em estilo rococó e uma colecção de mais de  40mil livros
com encadernações em couro, gravadas a ouro.

Para conservarem os livros, os monges criaram uma colónia de morcegos que voam livremente pela biblioteca à noite, fazendo grandes banquetes.
Poucas janelas tem acesso ao exterior devido à humidade, existe
outras “janelas” que são na realidade espelhos que concentram o calor dos raios solares.


Dizem… que existe um túnel que liga o Convento de Mafra à Ericeira, por onde tinha escapado o rei D. Manuel II.
Embora exista de facto um túnel, que passa na Vila de Mafra, esse foi construído para
escoar os esgotos do Palácio.
Tudo não passa de uma lenda.


Sugestões

– Para os amantes de livros, vão delirar quando virem a biblioteca!

Bilhete do circuito integral tem o valor de 6€
Circuito Arte Sacra, Núcleo conventual e Basílica são 2€

– Entrada gratuita todos os domingos até as 14h.
(Residentes em Portugal)
Mini pessoas até aos 12 anos também não pagam

 

4 thoughts on “O luxo da Monarquia portuguesa”

  1. É um lugar lindíssimo, por fora e por dentro. Nota-se logo como se estende pela rua. O luxo da monarquia portuguesa transcreve-se em lugares de imenso bom gosto! Há tanto por visitar cá dentro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!